Tag Archives: SP

EXAME DE ORDEM – SUA NECESSIDADE EM FACE DA DESQUALIFICAÇÃO DOS NOVOS BACHARÉIS

Durante os anos de faculdade, é comum aos alunos do curso de direito, sonhar com o sucesso imediato. Advogar para grandes empresas, e aos ainda mais audaciosos, defender suas teses no Tribunal do Júri, preferencialmente para clientes muito endinheirados!

Passados o “anos dourados”, com o cotidiano se descortinando diante dos novos olhos de águia, porém, com nada ou pouquíssima prática no “mundo” jurídico-profissional, o recém-bacharel, precisa transpor uma grande lacuna, qual seja: sair da teoria acadêmica e adentrar no rol dos ilustres advogados, inscritos na Ordem dos Advogados do Brasil!

Porém, para concretizar esta transposição, e adquirir a Carteira de Advogado (o sonho avermelhado de todos os bacharéis em direito), se faz necessária a aprovação no Exame de Ordem, uma das exigências do rol do artigo 8.°, inciso IV, da Lei 8.906/94 (Estatuto da Advocacia e a Ordem dos Advogados do Brasil – OAB).

Compartilhe este texto nas redes sociais:

JULHO – FÉRIAS – O QUE FAZER SE ALGO DER ERRADO? – DIREITO DOS VIAJANTES

Direitos do viajanteJulho é o mês das férias escolares e com as crianças em casa muitas famílias brasileiras aproveitam o mês para viajar. A conseqüência é aeroportos e rodoviárias lotadas, um aumento de vendas de pacotes de viagens e conseqüentemente um aumento nos problemas para os viajantes.

Para evitar ou saber contornar alguns destes problemas é necessário que o consumidor viajante tenha conhecimento dos seus direitos e onde reclamar.

Ao comprar sua passagem, seja aérea ou rodoviária, o viajante está firmando um contrato de consumo na modalidade de contrato de transporte, aplicando-se a este contrato o Código de Defesa do Consumidor além da legislação específica a cada tipo de transporte.

Problema muito comum tanto em aeroportos como rodoviárias em época de férias são os atrasos.

Além do Código de Defesa do Consumidor os consumidores do transporte aéreo contam hoje com a resolução 141 da ANAC e os passageiros do transporte rodoviário contam com a Lei Federal 11.975/2009 para se socorrerem.

No caso de transporte rodoviário o passageiro que não puder viajar na data marcada, tem o direito de utilizar a passagem no período de um ano. O passageiro também tem o direito, em caso de desistência da viagem antes do embarque, à devolução do valor em até 30 dias. Quanto aos atrasos, quando estes forem superiores à uma hora, a empresa terá que disponibilizar outro ônibus, devolver o valor da passagem ou colocar o consumidor em outra empresa com o mesmo trajeto. Quando houver atraso, quebra ou acidentes sem vítimas que prorroguem a viagem em mais de 3 horas, não havendo veículo substituto a empresa deverá arcar com as despesas de alimentação e estadia dos passageiros. Se o veículo contratado não estiver disponível e o próximo veículo disponível for em categoria superior o consumidor deverá embarcar no mesmo sem custo adicional e quando ocorrer o inverso o passageiro terá direito a receber a diferença do valor das passagens.

Quanto aos atrasos no transporte aéreo as regras são ditadas pela resolução 141/2010 da ANAC. Esta resolução determina que em caso de atraso do vôo ou conexão o passageiro terá o direito à devolução dos valores pagos, ou sua reacomodação em vôo da própria companhia ou de outra companhia aérea no mesmo momento ou em data solicitada pelo passageiro. As mesmas regras também se aplicam quando o serviço for cancelado ou interrompido. Além disto, as companhias aéreas serão obrigadas a ressarcir ou disponibilizar assistência material aos consumidores nestes casos, sendo que em atrasos superiores a uma hora o consumidor terá direito a ter a sua disposição meios de comunicação, se superior a duas horas terá direito a alimentação e se superior a quatro horas terá direito a acomodação em lugar adequado, traslados e se necessário, hospedagem.

No caso de transporte aéreo também pode acontecer o chamado overbooking, ou seja, prática que consiste em vender mais passagens do que os assentos do vôo, e que quase sempre culminam com a preterição de embargue (quando o passageiro confirma a viagem e não há lugar disponível no vôo). Este problema poderá ter duas soluções por parte da companhia aérea: negociar com o consumidor e lhe oferecer vantagens para desistir do vôo contratado e aceitar um outro no lugar ou a aplicação das alternativas acima aplicáveis em caso de cancelamento de vôos.

As reclamações deverão ser feitas diretamente as companhias aéreas e rodoviárias e caso seja necessário também poderão ser feitas à ANAC (aéreo) e ANTT (rodoviário).

Outros problemas podem ocorrer na viagem de férias, tais como fatos dos quais decorram para o viajante, danos morais e materiais (perda de compromissos, perda de bagagem, etc), e neste caso o consumidor tem o direito de receber o ressarcimento dos danos materiais que sofreu, bem como tem o direito a uma indenização dos danos morais que porventura sofreu durante sua viagem.

Referido ressarcimento poderá ser diretamente requerido ao causador do dano, através de uma solução amigável de conflito, ou caso não seja possível, através do poder judiciário, em muitos casos é possível obter a solução através dos juizados especiais.

Cabe lembrar que em casos de problemas com a parte terrestre da viagem, ou seja, problemas com hotéis ou passeios, tanto o responsável direto pelo dano poderá ser acionado como também a agencia de viagens através da qual os serviços foram contratados.

Boa Viagem!

Glaucia Bueno Quirino – Advogada no escritório Cristo Constantino Advogados.

Compartilhe este texto nas redes sociais:

MEU BEM …MEUS BENS… PARTILHA DE BENS NO NAMORO. COMO PREVENIR AÇÕES JUDICIAIS APÓS O FIM DO RELACIONAMENTO

Salvo solteiros convictos como era e recomendava o apóstolo Paulo como se observa na passagem bíblica escrita em Coríntios, capítulo 7, versículo 1 e 2 “Ora, quanto às coisas de que me escreveste, bom seria que o homem não tocasse em mulher. Mas por causa da prostituição, tenha cada homem a sua própria mulher e cada mulher seu próprio marido“, mais cedo ou mais tarde acabamos travando relacionamentos afetivos ao longo de nossa vida, “ficando”, namorando, noivando, vivendo em concubinato, vivendo em união estável ou casando com alguém.

Em ordem crescente os relacionamentos acima refletem de uma maneira geral o grau de compromisso entre os envolvidos, e tirando o atual “ficar” que se traduz em um relacionamento fugaz e pontual, (desde que este entendimento seja compactuado pelas duas partes envolvidas, pois volta e meia uma das partes acha que está namorando e a outra acha que está só ficando…) todos os demais relacionamentos aqui mencionados trazem consigo uma gama de conseqüências no mundo jurídico.

Compartilhe este texto nas redes sociais:

A aprovação do novo Código Florestal pela Câmara poderá não ser sustentada pelo Senado.

Após muita polêmica, debates e acusações, a Câmara aprovou no dia 24 de maio de 2011, o novo código florestal escrito pelo deputado Aldo Rebelo e a emenda redigida pelo PMDB, com 410 votos a favor, 63 contra e 01 abstenção.

A polêmica versa sobre a continuidade de atividades em Áreas de Preservação Permanente (APP’s), a dispensa de reserva legal de imóveis rurais até quatro módulos fiscais, a falta de garantia de plantio em áreas consolidadas e a criação de um programa de regularização ambiental de modo que os proprietários enquanto estiverem cumprindo o termo de compromisso firmado, não poderão ser autuados e serão suspensas as sanções de infrações cometidas antes de 22 de julho de 2008.

Compartilhe este texto nas redes sociais: