Tag Archives: empregada domésticas

INTERNET, UM ESPAÇO SEM DONO? – UM CONVITE À REFLEXÃO.

InternetHouve um tempo que a disseminação de conteúdo pela internet ocorria de forma irrestrita, fato que fez com que a rede mundial de computadores, fosse por certo tempo, considerada como uma terra sem lei, ou ainda, um campo no qual tudo se permitia.

Anos se passaram e novas tecnologias surgiram, o acesso à internet se multiplicou e atingiu diversas camadas sociais. A massificação do acesso a tal tecnologia trouxe diversas mudanças e novas aplicações para o uso da rede.

Mas aquela sensação de insegurança que atingia os usuários da internet mudou, não só pelo aumento do acesso à tecnologia, mas sim, pelo surgimento de um novo ramo de negócio, que foi impulsionado pelo o referido aumento.

Esse ramo de negócio (muito exitoso, por sinal) esta atrelado à intensa utilização da internet como ferramenta de marketing, propaganda, ou ainda “mídia social” como é chamada tal pratica na linguagem técnica.

Compartilhe este texto nas redes sociais:

DIA DA MULHER E OS DIREITOS DAS EMPREGADAS DOMÉSTICAS

EmpregadaUm incêndio criminoso, ocorrido em 1857 em uma tecelagem da cidade de Nova Iorque, provocado para coibir uma greve das trabalhadoras, sempre foi considerado o acontecimento histórico que originou o Dia da Mulher, comemorado no dia oito de março de cada ano. A data e o acontecimento foram acolhidos pela ONU, por um decreto de 1975.

Entretanto, a jornalista Adriana Jacob Carneiro, com a autoridade de quem desenvolve alentado estudo nesta matéria vem a público para discordar, pois segundo constatou em suas pesquisas, o malfadado acidente acima não ocorreu em oito de março, mas sim, apenas no dia vinte e cinco de 1911 e não se tratou de um incêndio provocado de forma dolosa, mas por culpa de alguem que acendeu o cigarro onde não devia. E vai mais além a pesquisadora: dia oito de março de 1917, marca, na verdade, a data em que as mulheres de Petrogrado realizaram uma grande passeata para se queixar da fome e dos preços abusivos dos gêneros de primeira necessidade. Veja-se, a propósito, o artigo da jornalista, publicado pela Folha de São Paulo (http://www.folha.uol.com.br/)

Compartilhe este texto nas redes sociais: